SINTAF     -     Sindicato dos Trabalhadores da Actividade Financeira - sintaf@sintaf.pt     -    Telef. 218 124 992

O SINTAF esteve presente no 13.º Congresso da União dos Sindicatos de Lisboa (USL) em Lisboa. O Congresso da USL teve inicio a 17 de Novembro e terminou no dia 18 de Novembro de 2023.
Mais força e Acção de Luta! Com os Trabalhadores Construir o Futuro!
Como diz diz Libério Domingues, coordenador da USL/CGTP “...as lutas não se escolhem, fazem-se".
 
 
 
Intervenção de Nuno Matos, Coordenador do SINTAF,
 
Bom dia, Saudações ao congresso e a todos os presentes.

Sou trabalhador da banca e dirigente do SINTAF, o único sindicato da banca filiado na CGTP.

A banca em Portugal tem 11 milhões de lucro por dia. Mas estes milhões não são para melhorar a vida dos trabalhadores da banca, quando se fala em aumentos salariais, ou melhorias das condições de trabalho, vem de imediato a resposta das dificuldades de mercado que o setor atravessa e da crise que se avizinha. É um setor que tem apostado nas novas tecnologias e na digitalização, mas esta digitalização serve para despedir trabalhadores (mais de 16 mil desde 2010), redução do número de balcões (-2 mil desde 2010), o que tem provocado uma deterioração da qualidade do serviço prestado por a banca ás populações, hoje ir ao banco é sinónimo de filas de espera, ou marcação para atendimento uns dias mais á frente, ou até meses.

A digitalização deveria de ser uma forma de redução da carga laboral bem como do número de horas a trabalhar, funciona exactamente ao contrário.

Com a digitalização a banca passou a cobrar mais taxas e aumentou-as. O CEO do Millennium reconheceu que essas taxas aguentaram a banca durante a pandemia, taxas que são cobradas por a utilização das APP ou do home banking, bem como em cada pagamento que é feito por cartão (visa ou MB).

Estas taxas representam 7 dos 11 milhões por dia que a banca lucra, o restante é a diferença dos juros que cobram nos empréstimos e não pagam na remuneração de contas ou aplicações, e que também não pagam ao BCE quando vão pedir dinheiro. Só o valor das taxas cobre (e sobra) os custos de produção. Quanto ao valor dos juros cobrados este ano subiram 90% em relação a 2022, e os lucros aumentaram em 100% só nos primeiros 9 meses de 2023. O crédito concedido manteve-se nos níveis de 2022.

Em Portugal também temos a mais baixa taxa de transformação da Europa, que em Portugal é de 79%, ou seja, para cada 100 euros depositados só 79 são emprestados, mas os restantes 21, não ficam esquecidos, são aplicados em negócios e transações do próprio banco, portanto quando se diz que a banca é o motor ou alavanca da economia Portuguesa, não será bem isso, até porque a grande maioria destes lucros gerados em Portugal vão para o Estrangeiro, visto que só a CGD e o Montepio são de Portugal os restantes são consórcios estrangeiros.

A CGD detida a 100% por o estado Português deveria funcionar como reguladora do mercado, ajuda do Povo e empresas Portuguesas, mas funciona exactamente como a restante banca, não entrando em concorrência, temos que nos lembrar que a banca em Portugal foi condenada (2022) a pagar uma pequena multa de 225 milhões de euros por cartelização, ou seja combinarem entre si as regras do jogo e falsearem as regras da concorrência.

Por outro lado, neste mar de lucros temos os trabalhadores a afogarem-se, vejamos:

    • Em 2021 inflação de 1.3% aumentos de 0.5% para trabalhadores e 1.7% para as administrações.

    • Em 2022 inflação de 8,1% aumentos de 1.1% para os trabalhadores e 20% para as administrações.

    • Em 2023 inflação prevista de 5.3% aumentos de 4.5% para os trabalhadores, para as administrações só conseguimos saber depois do fecho de contas do ano, mas tudo indica….

Isto depois de quase uma década sem aumentos e sempre a perder poder de compra. Mas com aumento de horas de trabalho, não remuneradas.

O CEO do Millennium em 2022 recebeu um total (anual), de 1.782.342,00€ mais 88,2% que em 2021, mas aos trabalhadores em 2023 recusou dar mais que 3%, o aumento mais baixo de toda a banca.

Para tudo isto a banca conta a prestimosa ajuda de umas associações que se autointitulam de sindicatos, uns dizem-se independentes e outros ligados a UGT. Todos interessados em tratar da saúde aos bancários, o assédio, a cada vez maior precariedade do emprego na banca através do outsourcing, os baixos salários, o agora chamado burnout, nada interessa, só o valor para o SAMS (saúde) é que importa.

Com persistência, organização e luta o SINTAF continuará, enquanto sindicato de classe a combater a política dos banqueiros e a defender os trabalhadores.

A Luta Continua

 

 

Lutar por melhores condições de vida e trabalho.

O trabalho e os trabalhadores têm de ser valorizados e não tratados como peças descartáveis.
A luta dos trabalhadores continua a ser, como sempre, elemento decisivo para resistir, defender, repor e conquistar direitos.
É o primeiro acto de participação sindical de um trabalhador.

Ter voz activa nos locais de trabalho e na sociedade

O SINTAF possibilita aos trabalhadores seus associados ter uma voz activa capaz de representar e defender o colectivo de trabalhadores.
O desequilíbrio existente na relação de forças entre a administração e os trabalhadores é reduzido se estes estiverem sindicalizados.

Combatemos a precariedade

Os trabalhadores com vínculos precários vivem entre o despedimento fácil e a não renovação do contrato de trabalho - são vítimas de ameaças constantes - sujeitos a diversos constrangimentos, chantagens e perseguições - estão mais expostos à exploração laboral e a salários mais baixos. Trabalham e vivem com medo de serem substituídos. A resolução dos problemas dos trabalhadores passa pela sua unidade, organização e pela contratação colectiva que o SINTAF propõe.

Protege os teus direitos, sindicaliza-te!

 

Contacta o SINTAF para esclarecimentos e entrega da tua inscrição.

Descarregar (PDF)

O documento em PDF, facilita o preenchimento no computador mas não transmite informação.

Depois de preenchido e assinado à mão, envia a inscrição para - sintaf@sintaf.pt  Contacta o SINTAF, ou um elemento do SINTAF para qualquer esclarecimento.  (ver contactos)

As instruções encontram-se no documento.